Insira seu email abaixo e receba conteúdos, ferramentas e dicas exclusivas sobre empreendedorismo e negócios!










A reclamação mais recorrente de quem parte para começar um negócio é: “eu não aguento mais chefe“, “aqueles cara do trabalho são um pé no saco“, “não aguento mais o meu emprego” e assim vai.

Logo em seguida vem o desejo milagroso de: “eu quero abrir um negócio, ficar rico, ser meu próprio chefe e ficar livre de tudo… amanhã!

Mesmo que você esteja neste estágio de não suportar mais a vida de funcionário, não gostar mais do seu emprego, não conseguir se motivar para continuar fazendo o que faz da vida, nem se realiza mais no seu atual emprego e considera entrar para o mundo dos negócios, tenha calma que não é tão rápido e fácil assim.

Entretanto, há algumas coisas que você pode fazer para garantir essa transição de uma forma mais segura, tranquila e feliz!

Esta mensagem é para você que está maluco para pular fora do seu emprego e começar o seu próprio negócio, acreditando que sua vida será mais completa, que irá ganhar muito mais dinheiro, terá mais liberdade e qualidade de vida.

A boa notícia? Sim, começando de forma correta e adotando alguns cuidados que você tem que levar nesse momento.

Crie seu universo paralelo

Eu sempre recomendo: não peça demissão e saia do seu emprego sem antes ter um negócio já rodando e sendo testado.

Isso é muito importante porque, por mais que você utilize seu tempo extra enquanto empregado para planejar e pesquisar diversos aspectos sobre o seu futuro negócio, você não sabe como ele funcionará exatamente na prática até que comece a colocar, aos poucos, a mão na massa.

É comum encontrar pessoas sonhando em iniciar um negócio e passar meses criando um plano de negócios, pesquisando um volume monstruoso de informações sobre outros negócios semelhantes, pedem demissão, investem quase tudo o que têm no novo negócio e descobrem que, na prática, a teoria é outra. Em outras palavras, o negócio não funciona como no papel, não importa quão bom fosse o plano.

Esqueça um pouco o plano e parta para a ação. O principal de tudo é que você tenha, realmente, muita vontade de iniciar um negócio. Lembra quando queria um presente quando criança e você infernizava a vida dos seus pais por meses até conseguir? É esse tipo de vontade, multiplicado por cem e, agora, sem os pais para ir conseguir para você.

Essa vontade gigante será importante porque você terá que trabalhar nas suas horas vagas, contrariando a vontade de todos, principalmente a sua.

Seu tempo livre será direcionado por definir suas prioridades, cortar novelas, filmes e vídeo games e começar a executar algumas atividades nada empolgantes de começar a validar um negócio.

A consistência de fazer entre uma e três horas por dia de tarefas práticas para começar o seu negócio lhe renderá uma semana muito produtiva! Até que consiga gerar seus primeiros clientes, demandará uma boa dose de esforço e você estará testando não apenas seu negócio, como também até suas habilidades empreendedoras.

Salário VS Custos

Quando você conseguir passar o estágio de trazer seus primeiros clientes e começar a gerar algum dinheiro, duas coisas começarão a acontecer:

1. Mais atividades: seu o negócio começou a rodar mesmo em pequena escala, entretanto, as tarefas a executar só aumentarão. Consequentemente, você não dará conta de fazer tudo sozinho e também aumentar a qualidade de tudo o que faz. Neste momento você tem duas opções: Uma é buscar ajuda profissional, a segunda é dedicar mais tempo para o seu negócio. Entretanto, neste momento em que você ainda está empregado e tocando seu negócio em paralelo, é melhor você buscar o apoio de alguns profissionais em algumas atividades pontuais enquanto você ainda não consegue dedicar 100% do seu tempo;

2. Mais faturamento: Conforme você vai testando, trazendo mais clientes e buscando ajuda, você começará a faturar mais dinheiro. É comum encontrar o “conselho” de esperar seu negócio faturar a mesma quantia do seu salário atual para pedir demissão. Entretanto, esta é uma métrica que varia muito de pessoa para pessoa, cargos que ocupam, níveis hierárquicos, tempo de empresa e muitos outros. Minha indicação: quando o seu negócio começar a te proporcionar a mesma quantia que você gasta para sobreviver, é um bom momento para a considerar em trocar seu emprego pelo seu negócio.

Lembre-se: o dinheiro faturado pela empresa é da empresa. Você deve retirar apenas uma porcentagem para você (e seu sócio, caso tenha um). Tirar todo o dinheiro que entrar acabará com seu negócio antes mesmo dele começar.

Portanto, se seus gastos pessoais é gira por volta de 5 mil por mês, aguarde seu negócio começar te prover este valor para cogitar focar todo seu tempo em seu novo negócio.

Dando o salto

Quando você alcançar este patamar de faturamento e seu negócio te render o mesmo que você gasta para sobreviver, você já validou o negócio e conseguiu fazer com que ele te mantenha. Este é o ponto de virada, para entrar de cabeça no mundo do empreendedorismo.

Neste momento, você precisa criar uma estratégia para realizar esta transição. Algumas empresas (e cargos), são mais abertas para conversar a respeito de formas de trabalho remoto (home office), ser contratado como prestados de serviços (PJ – pessoa jurídica), ou outras formas de conseguir ficar mais tempo em casa (ou no seu novo escritório).

Caso não seja possível diminuir a sua carga horária do seu emprego, não entre em conflito com a empresa e peça demissão. É hora de dedicar todo o seu tempo e energia para abrir e crescer o seu próprio negócio.

Será nele que você conseguirá alavancar os seus ganhos, tanto financeiros, quanto os de qualidade de vida. Não será neste momento e do dia para a noite. Levará um um tempinho e muito mais esforços para alcançar todos os benefícios e estilo de vida que o empreendedorismo pode te proporcionar.

Porém, agora se dedicando plenamente ao seu negócio e da forma certa, é inegável as chances que você possui para chegar lá.

Zero estresse

Se precipitar, largar o emprego e se endividar são atitudes que levam muitas pessoas à falência financeira e mental, e faz com que outras pessoas fiquem com medo de adotar o empreendedorismo como uma forma de ganhar a vida.

Pedir demissão sem ter um pequeno negócio testado na prática, faz com que você fique estressado, sem foco e impulsivo. Isso porque, agora, você depende apenas deste negócio que ainda nem nasceu para sobreviver.

Quando você possui um emprego e começa seu negócio paralelamente, sua situação é mais tranquila, você possui mais tempo e “espaço” para adaptar seu negócio de forma adequada.

Muitas pessoas ficam emocionalmente estressadas porque agora dependem apenas desta opção, têm que fazê-la dar certo o quanto antes, com o mínimo de erros possível e, por não terem um retorno imediato, acabam colocando tudo a perder.

.

Se você está empregado (ou não), e quer mudar para o mundo dos negócios, é preciso saber quais atividades focar, como identificar a oportunidade certa a perseguir, saber como otimizar seu escasso tempo de 1 a duas horas por dia e como começar com o mínimo investimento possível.

Mesmo que você acredite não ter nenhuma competência para negócios, tenha medos de falhar, não possua uma ideia, tempo nem dinheiro para investir, o curso Futuro Empreendedor foi criado para você! Ele fará com que você comece seu pequeno negócio em apenas 7 dias, da forma mais segura e utilizando apenas os recursos que você possui hoje!

Diferente do destino que seu emprego irá estragar, que tal começar neste minuto a criar um futuro brilhante, livre e empreendedor para sua vida? Ele está AQUI!